Representatividade nas eleições, o perigo do conto do vigário

Iniciamos mais um processo político em nosso país. Desde as eleições de 2014 fomos golpeados com momentos turbulentos seguidos de dias bastante temerosos. Mudanças em diversos setores importantes para a sociedade foram realizadas ao que chamamos “toque de caixa”, um após o outro apesar dos apelos populares. Tivemos gritos de revolta, gritos de apoio e assistimos diversos personagens importantes sendo acusados e presos por corrupção. Acompanhamos tudo com aquela sensação terrível de impotência.

Descrição: Imagem do personagem Caco, um sapo, com a mão esquerda na boca tremendo ansiosamente. Fim da descrição.

Vimos também o assassinato de Marielle Franco, seguida de toda morosidade do processo de investigação. Novamente, acompanhamos atonitamente mais um episódio de impunidade, desta vez alcançando uma figura de importância política, defensora dos direitos humanos. Até hoje, dia 20 de agosto de 2018, o crime segue sem culpados.

No Congresso, a mesma rotina que nos lembra o refrão da cantiga do programa “A praça é nossa”: “A mesma praça, o mesmo banco, as mesmas flores, o mesmo jardim. TUDO É IGUAL.”

Enquanto isso, na margem das discussões, partidos se organizam para formularem suas chapas e alianças para conquistarem mais um período de quatro anos no poder. A baixa popularidade do presidente e suas reformas fez com que deputados e senadores mudassem suas legendas afim de confundir o eleitor. Nos bairros de periferia já podemos ver o milagre das verbas para obras eleitoreiras. Aquela rua que o vereador X disse não ter verba para fazer, aparece no dia seguinte com tratores e asfalto “gentilmente” concedidos pelo candidato a deputado do mesmo partido do vereador. Coincidências apenas.

Sua representatividade…

Descrição: Imagem em movimento de uma mulher com roupa esportiva dançando como uma bailarina da direita para esquerda. O passo consiste em levantar uma perna para cima fazendo surgir um arco-íris que some ao fechar as pernas e iniciar o mesmo passo para o outro lado repetindo o efeito. Os braços balançam seguindo o ritmo da dança. Fim da descrição.

Ao contrário dos últimos anos, nestas eleições vemos um apelo pela diversidade. Diversas pautas exploradas pelos movimentos sociais são transformadas em proposta de governo por diversas candidatas e candidates a Senado e Câmara. Essa mudança nos planos demonstra a força das lutas feministas, da condição do negro e dos LGBTQ, porém infelizmente ainda não temos a mesma potência para pessoas com deficiência.

Em seminário promovido pelo Supremo Tribunal, chamado “Elas Por Elas”, a ministra Rosa Weber critica a diferença entre a quantidade de candidatas e a quantidade de eleitoras, 52,5% do eleitorado brasileiro é feminino, porém apenas 30,7% das candidaturas são de mulheres.

“Façamos, mulheres, ao exercer todas nós esse direito essencial da cidadania que é voto, a diferença para um fortalecimento para o estado democrático de direito, conquista diária e permanente de todos nós, com a consciência de que em nossas mãos, mulheres, está o destino do País, com a construção de sociedade que todas queremos, igualitária, justa e inclusiva.”

Em contrapartida, esse ano tivemos um aumento de candidatos LGBTQ. Segundo a matéria “População trans reage a transfobia e se candidata nas eleições de 2018” do site NLCON, pelo menos 47 candidaturas foram registradas de acordo com o levamento realizado pela ANTRA (Associação Nacional de Travestis e Transexuais). Acredita-se que os diversos casos de homofobia e transfobia tenham sido motivador para busca de uma representação política do grupo, afim de legitimar suas existências.

Também houve um aumento na quantidade de candidatos negros, 9% a mais em relação a última eleição em 2014. É importante lembrar que de acordo com números da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) divulgados no fim do ano passado, a população é formada em maioria por negros: 54,9%, sendo 46,7% de pardos e 8,2% de pretos. Esses dados mostram a importância da representatividade deste grupo, uma vez que ainda temos uma maioria branca ocupando os cargos.

… pelo seu voto

Vote consciente
Descrição: Desenho de várias mãos, nas cores azul e alaranjado, segurando papéis de voto para colocar em uma urna branca no lado esquerdo inferior. Fim da descrição.

É satisfatório observar o aumento de nossas representatividades nessas eleições, é como se reacendêssemos uma chama de esperança diante deste cenário turbulento que estamos vivendo nos últimos anos. Afinal, para garantir nossos direitos (ou o que nos resta deles) precisamos de deputados/senadores que estejam alinhados com as necessidades aclamadas pela sociedade. Caso contrário, novamente assistiremos um espetáculo de conchavos e interesses escusos.

Mas não devemos nos enganar pela roupagem apresentadas em campanhas. Nem todo político ali terá o compromisso com seus eleitores, há muito de estratégia de marketing e pouca escuta nas falas e projetos. Terá muito candidato (a) a favor das mulheres, contra a discriminação às pessoas com deficiência, a transfobia/homofobia/racismo e cheio de intenções em transformar esse país em um reduto de amor, porém não se engane. 

Observe a trajetória dessas pessoas, o que realizaram durante os anos de mandato, como se portaram diante das decisões turbulentas que passamos, veja se as propostas são viáveis e possíveis de se realizar. E o mais importante: vamos cobrar resultados!

Agora se você tem deficiência e está lendo esse texto, fique COMPLETAMENTE alerta com os (as) candidatos(a). Perdemos muitos direitos nos últimos anos, seremos duramente afetados pelo congelamento de verbas na saúde, na educação corremos o risco de sermos impedidos de frequentar as mesmas escolas e ter a mesma qualidade de ensino das outras pessoas sem deficiência. Há muitas coisas ameaçando nossas existências, aprovadas por quem não tem deficiência e também por aqueles que tem deficiência (com condições bem diferentes da maioria da população).

Nesse momento tão frágil em nossa democracia, não basta somente nos representar. É preciso nos escutar.

 

Gostou do texto? Deixe seu comentário, adoraria saber sua opinião.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s